Para contar como é o ciclo do elevador da fabricação até a instalação na obra iniciamos uma série de posts. Depois de acompanhar as principais etapas da fabricação e a viagem do elevador até a obra, te convidamos a conhecer os bastidores da instalação do elevador

A cada laje que sobe, o elevador também sobe junto, respeitando cada etapa do processo de construção. Primeiro a caixa de corrida, depois a casa de máquinas e assim por diante até a instalação completa do equipamento que vai garantir a mobilidade de milhares de pessoas. 

Um processo que passa por várias etapas e que chamamos de pré-instalação, quando a parte civil precisa ganhar forma para que a montagem do elevador possa ser realizada. Um cenário que poucos conhecem, pois não é visível, mas do qual depende a segurança de quem usa o elevador.

RG do elevador

Você sabia que cada elevador tem um número de série? É como o RG do elevador. Essa identificação é que determina para qual obra ele foi projetado e reúne os dados com as especificações técnicas do equipamento.

Essas informações constam do Projeto Executivo do elevador, documento que detalha as características do equipamento, respeitando as normas vigentes e os detalhes do empreendimento. São dados sobre o dimensionamento, capacidade, tipo de máquina, cargas, reações, etc.

Caixa de corrida e poço

Poço do elevador.

O projeto executivo é uma etapa fundamental para o início do projeto, pois é a partir dele que definimos os primeiros passos do processo de pré-instalação. O principal deles é o levantamento de prumo, ou seja, a verificação das medidas da caixa de corrida e do poço do elevador para garantir que na hora da montagem o elevador caiba perfeitamente no espaço definido para ele.    

Além de apuro técnico, essa etapa exige atenção para que a preparação desse ambiente siga as normas de segurança, para as equipes de montagem do elevador e da própria obra. O uso de equipamentos de proteção individual (EPI’s) é obrigatório, bem como uma iluminação e pintura adequadas para garantir uma instalação perfeita e viagens futuras seguras.     

A caixa de corrida abriga os componentes responsáveis pelo sobe e desce, como as guias, que são como trilhos, e os cabos de aço que sustentam o elevador. Quando o elevador é do tipo sem casa de máquinas, a estrutura é diferente, pois a máquina de tração é fixada no topo da caixa de corrida que ganha vigas, ganchos e componentes elétricos para a instalação.  

Casa de máquinas

Grande parte da parte elétrica do elevador, como a chave de força que liga e desliga o equipamento fica na casa de máquinas, uma área reservada da construção, geralmente instalada no último andar.

A obra civil dessa área requer atenção redobrada, pois estamos falando de controle e força que podem chegar a até 360v, ou seja, diferentes níveis de tensão são aplicados entre controle e força para que tudo funcione corretamente.

Além do quadro de força, a casa de máquinas, abriga importantes estruturas mecânicas do elevador, como a máquina de tração. Esta parte civil do edifício, também compreende a laje de sustentação, que recebe atenção especial durante a obra, uma vez que a carga de todo conjunto de cabina e contrapeso é transferida para componentes fixados nesta parte do edifício. 

Casa de máquinas.

Na casa de máquinas é onde geralmente fica posicionado também o quadro de comando do elevador e toda a parte de inteligência de funcionamento do equipamento. São tecnologias de ponta que necessitam de um ambiente seco, arejado, bem iluminado e, acima de tudo, seguro. Por isso, o acesso deve ficar restrito às pessoas responsáveis pela instalação do elevador e no futuro à manutenção dos mesmos.   Depois que todas as lajes estão concretadas e a casa de máquinas está concluída, começa outra etapa do processo: a instalação dos marcos de porta. Vamos falar sobre esse processo no próximo post da nossa série.

Deixe um comentário

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>